sábado, 3 de outubro de 2015

CPMF - A volta dos mortos vivos e o acinte à sociedade.

Fonte: Estadão.

"Nós temos um sistema que cobra cada vez mais impostos de quem trabalha e subsidia cada vez mais quem não trabalha." Milton Friedman (1912-2006)



Nada é tão ruim que não se possa piorar. Esse era o slogan de campanha política do então candidato a deputado federal (e hoje infelizmente reeleito) Tiririca.

Essa máxima não só é ingênua como é falsa, e consequentemente nociva. Principalmente quando se é dentro do contexto em questão.

Sim, ainda que pareça o fundo do poço, pode haver a piora.

Um tema que tem sido bastante falado atualmente é a intenção do governo federal em ressuscitar a CPMF. Para quem não sabe (ou não se lembra), a CPMF foi criada por Fernando Henrique Cardoso como um imposto provisório, tanto que o nome significa: Contribuição Provisória sobre Movimentações financeiras. 

Com o apoio político do PMDB, através de um acordo de interesses escusos e nefastos que só é interessante ao eixo do mal que predomina na atual política nacional, Dilma Rousseff  milita para que o antigo imposto seja ressuscitado através de benesses aos parasitas da base aliada, do PMDB.

Está com fome? Em alimentos, nós pagamos 17% de imposto no arroz e no feijão, 32% no açúcar, 26% no óleo de cozinha, 38% no fermento, 25% no fubá, 33% no iogurte.


Tens sede e quer beber algo? O imposto sobre a cervejinha que o brasileiro tanto gosta está em torno de 55,6% e em bebidas essenciais como a água mineral, 44,55%.
Quer entretenimento? O famoso Playstation 4, aqui no Brasil, 72% do valor do aparelho, é imposto.

O brasileiro trabalha em um ano, o período de 5 meses só para pagar impostos, só para manter impostos. 

Não obstante disso, eles querem mais impostos. Engraçado, não é o PT quem usurpou a bandeira da defesa dos mais pobres? Santa mentira!

É lamentável que nós paguemos pela má gestão e a corrupção desenfreada que assola o país.

Segundo a mentalidade de Dilma Roussef, a solução é agradar aos aliados e mandar à conta de sua gestão corrupta e incompetente nas costas do povo, afinal, a corda arrebenta para o lado mais fraco, não?

Por que ela não corta os grandes repasses às entidades inúteis e criminosas como o MST? Por que o envio de milhões a ditaduras como, por exemplo, Cuba, país ao qual enviamos milhões e o gigante gasto com estádios durante a copa do mundo enquanto brasileiros morrem em filas de hospitais?

Por que ela não diminui o número de ministérios (na maioria são inúteis, cabides de emprego)? Por que não cortarmos as regalias (que não são poucas) e acabarmos com os aumentos escandalosos de salários de políticos, enquanto o pai de família tem de se contentar com um salário mínimo? 
Enfim, é lamentável que um governo só veja a solução pela via política, agradando aos amiguinhos do reino e extorquindo nós, os súditos.

E finalizando esse desabafo, vocês sabem o porquê do título do texto? Trata-se simplesmente do governo que quer tirar do túmulo algo que para o povo não só deve estar como está morto, porém no coração deles (governantes), está mais vivo do que nunca!

Tudo para que o reino de da incompetência e da corrupção se perpetue, e nós não iremos pagar o pato!



Brasil: Ou você dá o seu dinheiro para o Estado ou morre




Rachel Sheherazade fala da volta da CPMF e aumento de impostos por decreto





Ratinho manda Dilma tomar ‘vergonha na cara’ ao falar sobre proposta de volta da CPMF.
                       


6 comentários:

  1. Dizer o que néh!? parabéns pelo excelente texto Ismael!

    ResponderExcluir
  2. Querido amigo Ismael, concordo inteiramente com seu texto mostrando toda indignação contra esse governo corrupto que mama ininterruptamente os impostos de todo suor do povo brasileiro, mas sinceramente não vejo saída para expulsarmos o governo atual do poder, já que as FFAA ao que tudo indica se venderam também ao governo. Boa Noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lúcia,

      pressão popular é a palavra chave!
      Grato pelo apoio!

      Excluir
  3. O texto é simples, claro e objetivo. Infelizmente a situação é esta, mas ainda não perdi a esperança na intervenção militar. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celise,

      a esperança por um Brasil melhor não deve morrer.
      Abraço!

      Excluir